Atibaia realiza vacinação 24 horas após duas mortes por febre amarela

A Prefeitura de Atibaia implantou um mutirão para realizar a vacinação contra febre amarela por 24 horas após a confirmação de duas mortes pela doença na cidade. No bairro do Portão, onde a Secretaria de Saúde acredita em que as vítimas tenham sido infectadas, é feita vacinação casa a casa. Uma multidão formou fila nos postos de saúde nesta quarta (10) para ser imunizado.

Segundo a prefeitura, a Unidade de Pronto Atendimento do bairro Cerejeiras vai complementar o atendimento fora do horário comercial, seguindo pela madrugada até a abertura dos postos de saúde na quinta (11). A ação começou nesta quarta-feira (10).

De acordo com a Vigilância Epidemiológica, um homem de 22 anos e outro de 89 anos morreram na cidade em decorrência da febre amarela. O jovem de 22 anos era morador do bairro Cerejeiras, mas foi picado por um mosquito infectado no bairro do Portão durante uma trilha. A outra vítima era moradora do Portão, que faz divisa com Mairiporã.

As mortes aconteceram nos dias 28 e 31 de dezembro, mas a confirmação da doença foi feita pelo instituto Adolfo Lutz nesta terça-feira (9). De fevereiro a dezembro de 2017, 74 macacos foram encontrados mortos, sendo que 37 tiveram febre amarela.

Após as mortes, a campanha de vacinação contra a doença foi intensificada. As 17 unidades de saúde espalhadas em bairros da cidade vão vacinar das 7h até às 16h. E a unidade do Cerejeiras abre um mutirão às 16h e segue até às 7h do dia seguinte, quando as unidades reabrem.

Segundo a administração, a intensificação é para manter a vacinação na cidade 24h para facilitar o acesso para quem trabalha fora do horário comercial, em turnos extensos ou fora da cidade.

O foco é ampliar a vacinação em jovens e idosos. A explicação é de que os jovens são os mais vulneráveis por buscarem atividades na área rural, como trilhas e cachoeiras. E os idosos porque precisam de avaliação, por causa de históricos de doenças.

Em 2017, quando começou a vacinação, a cidade vacinou 95,3 mil pessoas. De 2007 até o ano passado, 75% da população foi imunizada contra a doença – 104 mil pessoas.

Fonte: G1.com